Mania de Sling by Dida

Novidades, dicas e informações interessantes sobre slings e cia.

Sling e Adoção dezembro 2, 2009

Filed under: Uncategorized — Dida @ 15:40

Ingrid van den Peereboom Extraído do livro “Peau à peau, technique et pratique du portage”, de Ingrid van den Peereboom, ed.: Jouvence. Tradução(espanhol) e fotos de Red Canguro.

Do Prazer e da Paz

O bebê cria um vínculo com seus pais através do tato, o primeiro sentido que chega à sua maturidade no útero de sua mãe, e também através da visão e dos demais sentidos. Observemos agora algumas situações que ilustram perfeitamente a riqueza que nos é oferecida ao carregar os bebês, além de suas vantagens práticas.

Porta-bebês e Adoção

No momento de uma adoção, ser carregado corpo-a-corpo constitui para o bebê e seus pais a ocasião de criar os vínculos fundamentais para o futuro de sua relação, de descobrir em si mesmos o instinto materno ou paterno e liberar ocitocina, a harmonia do amor. Mas no Ocidente, a relação mãe-filho não simboliza o porta-bebês. Pelo contrário, se acompanha de uma enorme quantidade de instrumentos de puericultura com, sua cabeça, o imponente, o majestoso, o maravilhoso carrinho. Seus lugar é tão importantes nas pesquisas européias que poucas pessoas podem conceber esta relação  parental sem a correspondente  panóplia, a coleção de acessórios. E no entanto, estes acessórios provocam e mantem a separação de forma assintomática. A longo prazo, é fundamental que o bebê e os pais estejam unidos com um forte vínculo. É necessário incentivar à qualquer custo esta esta relação vital. Uma das primeiras formas de consegui-lo é a proximidade pais-filhos. Vidal Starr Clay se interessou pelas relações táteis mãe-filho nos Estados Unidos: “A questão é saber se a quantidade e as formas de estimulação tátil e de contatos que as mães americanas oferecem a seus bebês e a seus filhos maiores correspondem com suas necessidades fisiológicas e emocionais”. “Devemos responder negativamente…” Clay constatou em várias ocasiões que o contato físico entre a mãe e os filhos de pouca idade (antes de adquirir a fala) revelam a miúdo a necessidade de dar cuidados e uma educação, mais que simplesmente expressar amor e afeição. As práticas impessoais de educação dos filhos que durante muito tempo estavam na moda nos Estados Unidos implicam em uma ruptura precoce dos vínculos mãe-filho e a separação da mãe e do filho por mamadeiras, roupas, mantas, carrinhos, berços e outros objetos materiais”.

Qualquer que seja o nascimento e a história de uma criança, não é suficiente manter um modo distante para que se tenham laços mais íntimos. O tipo de relação é determinante para o vínculo em formação. O contato em movimento e as numerosas sensações que lhe permitem realizar intercambios favorecem a relação, a cura, o alívio das tensóes ligadas tanto à história do bebê quanto à dos pais inférteis. Levar em um porta-bebês é uma prática que favorece os vínculos pai-filho e o apego do bebê pelas pessoas que o amam e as que ele ama, melhor  do que com objetos à sua volta.

A colaboração de uma organização belga de ajuda à adoção nos têm capacitado à avaliar de certa maneira a importância do moisés ou do carrinho para os novos pais. Depois de terem sido privados da gravidez, após o reencontro com o bebê, começam a utilizar o carrinho, símbolo da expressão da maternidade fincada no Ocidente há um século. Em vista do reencontro com seu filho adotado, os pais invertem, pois, é um incrível carrinho. Este bebê não tem o corpo de um recém-nascido, se alimenta de sólidos e brinca de forma autônoma. Aprendeu a não pedir demais o contato.

Eugénie fue portada por su madre biológica en paño africano y ahora ella disfruta llevando a ratos a su hermano Bernat

Geneviève, responsável por esta organização, e mãe adotiva, orienta aos pais a cuidar de seus filhos de um ano ou mais como se fossem recém-nascidos, a levá-los sobre a barriga favorecendo o apego. Lhes sugere permitir a eles mesmos e a seus pequenos uma “gestação reparadora” por meio de um sling resistente e envolvente: o wrap. Carregar seus filhos pode permitir-lhesconhecer verdadeiramente,  ancorar este novo amor em seus respectivos corpos (a associação pele-a-pele dá ferramentas para aprender a carregar) (1). O bebê rejeitará, talvez, em um primeiro momento a rpoteger-se de forma aconchegante no corpo do portador e conseguir isso pode levar um tempo.

Mas o reencontro é possível. Geneviève nos dá dicas sobre o papel de carregar o bebê no processo de adoção: “O essencial de carregar o bebê que devemos destacar no momento da adoção é a criação de vínculos. […] Muitos pais subestimam a primitiva ferida do filho adotado. Se existe adoção, existe abandono. Separado de sua mãe biológica, depois nas instituições onde podem encontrar a força pra sobreviver, a criança tem um grande sofrimento,  está desarmado e profundamente magoado. A mudança deve ser segura, e para isso devemos dar-lhe o suporte necessário. É essencial tempo, amor e sobre tudo, muita paciência.

Às vezes é muito difícil para os pais viver os primeiros dias, ou meses, com um filho adotado. Uma filiação por adoção não é uma filiação biológica. Os pais estão muitas vezes em condições difíceis, longe de tudo, longe deles, em um ambiente raramente bom para a acolhida de um bebê. Em três minutos, colocamos uma criança em seus braços, e a criança geralmente não está em ótimas condições de higiêne, comparadas às nossas (cheiro, piolhos, doenças de pele), às vezes estão também doentes […] Uma criança adotada tem necessidade de voltar, de retroceder para consolidar novamente seus alicerces. Tem a necessidade de reviver com seus pais adotivos as etapas perdidas. Necessita sentir novamente o calor e a intimidade para descobrir um estado de  bem-estar. Estes gestos de maternidade e paternidade são os gestos construtores que estimulam as partes mais instintivas e primitivas do cérebro. Está provado que responder à estas necessidades acalmará as feridas.  Carregar a criança permitirá à ele sentir-se confiante em uma maternidade primária e favorecerá o contato visual, o olhar é essencial na construção do binômio (mãe-filho/pai-fiho).

Às vezes é difícil para alguns pais começarem a carregar seus filhos. A adoção chega pouco depois de muitos fracassos e lutas dolorosos. “As mães não confiam em si mesmas, têm o desejo de se misturarem à “massa”, e, como todas, sonham com o carrinho que finalmente poderão utilizar.”

Geneviève me ensinou que estas crianças têm antes de tudo a necessidade de serem levados envoltos, de frente para seus pais, como recém-nascidos, ainda que tenham um ou dois anos e que possam andar por si mesmos no momento de encontro, a fim de que nasça o laço (vínculo) que dá gosto à vida destas crianças sem raízes.

O apego pode nascer no olhar que o pai coloca sobre seu filho, independente da criança. Este olhar forma parte das necessidades essenciais no desenvolver da criança: a necessidade de se olharem, através do olhar de seus pais.

Vejo aqui um vínculo com o trabalho de Édith Thoueille. Puericultora do Instituto de Puericultura de Paris, ensina à mães com deficiência visual grave a dar uma olhar sobre seus filhos. Sim, elas não podem vê-los, eles sim, têm a felicidade de ver sua mãe olhá-los. Elas aprendem a girar seu rosto, fazendo seus filhos seguir, sendo seu espelho.

(1)na Espanha, Red Canguro organiza palestras deste tipo.

Traduzido do site da Red Canguro por: Andreza Espi.


Traducido del original en inglés por Red Canguro.

Acerca de Red Canguro:
La Red Canguro, Asociación Española por el Fomento del Uso de Portabebés, es una asociación sin ánimo de lucro que se estableció en noviembre de 2008 con los fines de fomentar el uso de portabebés entre madres y padres y cualquier persona interesada, difundir información relacionada, servir de contacto y apoyo a personas que deseen iniciarse en el mundo de los portabebés, alentar el encuentro e intercambio de información y experiencias entre personas usuarias de los mismos, aumentar el nivel de conocimientos sobre el porteo de bebés en castellano y fomentar y difundir la crianza con apego. Para más información sobre estos temas, visita:
http://www.redcanguro.org


Anúncios
 

2 Responses to “Sling e Adoção”

  1. Claudia Says:

    É de uma delicadeza própria da Dida esta postagem.
    Beijo

  2. […] Traduzido do site da Red Canguro por: Andreza Espi. […]


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s